Intenção de voto: o que é e como mensurar

Consideradas representações da opinião pública, as pesquisas de intenção de voto têm recebido cada vez mais destaque em época de eleição e seus resultados são ansiosamente aguardados por muitos.

Entretanto, para se descobrir o desejo de voto do eleitorado, não basta somente coletar a opinião de qualquer um que estiver passando na rua.

As pesquisas de intenção de voto de qualidade seguem critérios rigorosos para que seus resultados sejam os mais fiéis possíveis. Neste post, você entenderá melhor sobre esses critérios. Fique ligado!

O que é intenção de voto

Apesar do voto ser considerado secreto, a intenção de voto não é! E, por isso, pesquisas para entender quais as possíveis escolhas de um determinado grupo são realizadas frequentemente antes do grande dia da eleição.

Vale lembrar que além dos candidatos na disputa pelos cargos políticos, o voto branco e o voto nulo também podem ser manifestados como intenção de voto. Todas as preferências são válidas! Assim, a partir das respostas obtidas por meio da realização, principalmente, de pesquisas quantitativas, é possível fazer uma previsão sobre quem será eleito.

Posso confiar na intenção de voto?

Atenção! Intenção de voto NÃO é voto! Ou seja, não é possível saber se a intenção de voto de um eleitor realmente representará a opção escolhida no dia da eleição.

Mesmo assim, não se pode subestimar os resultados das pesquisas! Estas seguem critérios minuciosos para que apresentem resultados cada vez mais próximos ao que será visto nas urnas.

Como é mensurada a intenção de voto

O sucesso de uma pesquisa, determinado pela proximidade dos dados obtidos com o resultado dos votos reais da população, dependerá de alguns fatores.

Definição da amostra  

Vamos supor que você deseja saber a intenção de voto para prefeito dos moradores de sua cidade. Seria inviável entrevistar cada um dos habitantes do seu município, concorda? Portanto, o primeiro passo para realizar uma boa pesquisa de intenção de voto é estabelecer um recorte social que irá representar o universo dos eleitores.

Observe o exemplo abaixo:

  • Apenas 300 eleitores de um município serão entrevistados;
  • 40% dos eleitores do município são homens.

Nesse caso, observa-se que a amostra é constituída por 300 pessoas. Como a amostra deve representar todo o universo de eleitores de uma cidade, os cidadãos escolhidos para as entrevistas devem apresentar as mesmas características que a população desejada.

Dessa forma, se 40% dos eleitores são homens, 40% da amostra, ou seja, dos entrevistados, também devem ser homens.

Quanto mais representativa for essa amostra, mais verídico serão os dados obtidos na pesquisa. Assim, é necessário delimitar bem qual a porcentagem que representa a população desejada a respeito dos principais elementos.

Na maioria das vezes, o perfil da amostra é baseado em fatores, como: idade, gênero, escolaridade e espaço geográfico. Pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é possível adquirir boa parte desses dados a respeito do eleitorado das cidades brasileiras.

Tamanho da amostra

Quando o assunto é pesquisa de intenção de voto, quantidade não significa qualidade!

Mais importante do que determinar o tamanho da amostra é a escolha dos entrevistados. Quanto mais parecida for a amostra do universo de eleitores, melhores os resultados da pesquisa.

Entretanto, amostras menores terão menos precisão. Assim, para se obter dados ainda mais realistas, é necessário que seja realizado um número considerável de entrevistas.

Tudo dependerá da sua disposição, do seu orçamento e do grau de precisão desejado.

Clique aqui para entender melhor sobre o processo de amostragem.

Realização de pesquisas em campo

É com o objetivo de garantir a representatividade da amostra que as entrevistas são realizadas, na maioria das vezes, de forma presencial. Dessa maneira, é possível escolher um cidadão que possui exatamente as características desejadas para responder ao questionário.

Com isso, entende-se que pesquisas feitas por e-mail, redes sociais ou outros sites, através de formulários ou enquetes, não são confiáveis, uma vez que não se sabe, de fato, se o participante se adequa ao perfil procurado.

Atualmente, boa parte das empresas de pesquisas utilizam softwares que possibilitam a obtenção das respostas das entrevistas presenciais de forma online, o que é rápido e seguro.

Contudo, mesmo em campo, é necessário estar atento para manter a qualidade da coleta. Isso porque o local que a pesquisa é realizada pode afetar no resultado!

A escolha de onde serão realizadas as entrevistas não é aleatória. Cada instituto de pesquisa escolherá o método que mais lhe convém e que trará melhores análises.

As opções mais comuns incluem realizar as entrevistas em ponto de fluxo ou à domicílio. O número de entrevistados por bairro também pode ser levado em consideração como respeito à semelhança da amostra com a população. Ou seja, se 20% dos moradores de uma cidade residem no bairro X, então 20% das entrevistas devem ser feitas nessa localidade.

Continuidade das pesquisas

Já alertamos aqui que a intenção de voto não traz a certeza da escolha do cidadão no dia D. Porém, a probabilidade de erro será menor, quanto menos tempo faltar entre a pesquisa realizada e a eleição.

Dessa forma, recomenda-se que as pesquisas de intenção de voto sejam realizadas inúmeras vezes, exaustivamente, até o grande dia. Quanto mais próximo das eleições, mais fiél será o resultado!

Como funciona a margem de erro de uma intenção de voto?

Mesmo que uma amostra deva representar toda a população de eleitores, os resultados obtidos em uma pesquisa podem apresentar equívocos.  Portanto, a margem de erro indica o quão próximo os dados obtidos a partir daquela amostra estão da real intenção de toda a população.

Entenda melhor como funciona a margem de erro, conferindo o exemplo abaixo:

  • Candidato A tem 45% das intenções de voto;
  • Candidato B tem 55% das intenções de voto;
  • A margem de erro é de 5%.

Apesar de o candidato B parecer estar na frente, ao analisar a margem de erro, percebe-se que ambos encontram-se em empate técnico.

Uma vez que a margem de erro dessa pesquisa é de 5%, os candidatos podem ter suas intenções de voto oscilando 5% para mais ou para menos.

Caso a margem de erro do candidato A atinja 5% para mais, ele se encontrará com 50% das intenções de voto. Já se o candidato B atingir o limite da margem de erro para menos, também terá 50% das intenções de voto. Dessa forma, afirma-se que há empate técnico.

Por que aferir a intenção de voto?

As pesquisas de intenção de voto trazem diversos benefícios aos candidatos.

É possível, a partir dos resultados obtidos, que os responsáveis pelas campanhas eleitorais mudem sua estratégia política, a fim de adequá-la ao comportamento apresentado pela amostra e buscar o voto de ainda mais eleitores.

Como fazer uma pesquisa de intenção de voto

Ficou interessado no assunto e deseja realizar uma pesquisa de intenção de voto?

Clicando no botão abaixo, você conhecerá mais sobre o trabalho do Instituto Opus acerca desse serviço!

Gostou do nosso conteúdo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo